sexta-feira, 2 de março de 2007

memórias de um sofá azul


"...não perdia um pedacinho de tarde, num sofá azul, enorme, (daqueles que afundam...) a ver as ondas a enrolar, através das vidraças..."


"...
numa preguiça angustiosa, encontro-me totalmente ao dispor do sofá azul desbotado para umas grandes roçadelas, dormidelas ..."


"
Sentada num sofá azul fechava os olhos levemente maquiados - também de azul - e se deliciava com o odor de mangue buscado na memória da imaginação..."


"
Ainda continuo a comer laranjas à tarde, sozinho no meu sofá azul, a ouvir uma boa música, relaxado a pensar em comprar chocolates..."

"
Havia um sofá azul na comprida casa de jantar da Rua Coelho da Rocha, ... Ele sentava-se no sofá azul e deixava que eu lhe pusesse uma toalha ao pescoço. ..."


porque é certo que em todo sofá há uma lembrança...
e em toda lembrança há um sofá azul...


Fragmentos de textos encontrados numa busca por "Sofá Azul" no Google. Se algum deles for seu, me avise para que eu possa colocar os devidos créditos.