quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Ao Câncer, sem amor.



Ei, Câncer! Sim, você mesmo! Não, Signo, pode ficar quietinho, meu papo hoje é com o outro, seu xará da pesada. Sim, Sr. Câncer, minha conversa hoje é com você.
Preciso te falar umas verdades, especialmente hoje, preciso pra valer. Não sou dessas de abrir o jogo quando tô chateada com alguém, faço mais o tipo engolidora de sapo, você sabe, mas dessa vez você passou dos limites, e acho que alguém precisa logo te dar esse toque.
Primeira coisa, quem te convidou pra festa? Por que tanta raiva? Tanto desespero pra ocupar o espaço, ser o centro da pista de dança? Isso não ta legal. Queima mais ainda tua imagem, fica feio. E essa necessidade toda de roubar a beleza da vida? Por que essa agressividade?
Sei que há quem te ature, quem te agüente por um longo tempo com paciência. Sei que algumas pessoas conseguem te dar uma rasteira também. E sei, pior é que sei, que você adora fazer uma surpresinha desagradável. Bem no estilo daquela visita que insiste em aparecer sem ligar antes. Alguém devia ter te ensinado umas regrinhas de etiqueta.
Às vezes perco horas tentando entender quem te fez assim. Será má criação? Desvio de índole? Ou somente um seco e tenebroso prazer em fazer o mal? Desculpe, mas não gosto de você. Aliás, não me desculpo, porque eu não me culpo. Você faz por onde merecer esse desprezo que eu sinto, que tanta gente sente.
Confesso que estávamos bem, até você aparecer assim tão perto de mim. Confesso também que, apesar de estarmos bem, eu nunca fui com a sua cara. Mas, agora, é diferente. Você mexeu com quem não devia e insiste em ficar. Não tá certo. Não dá pra aceitar.
Coloque um pouco de dignidade nessa cara e me faça um favor? Volta pro lugar de onde veio. Fique quieto lá. Deixa a gente viver em paz. Deixa a gente voltar a curtir só com cores e sorrisos na cara a festa que a vida deu pra gente. Guarde sua amargura pra você, a gente não te quer. Larga de drama, aceite logo! Aqui não é lugar pra você.
Volto a dizer: não fui com a sua cara! E farei cara feia até você sumir. Continuarei distribuindo sorrisos e colorindo alguns mundos, afinal, fui feita pra isso, mas não esquecerei você. Aguardo seu bom senso aparecer.
Prefiro não dizer “até breve”.

3 comentários:

  1. Sempre textos tão legais, mas confesso que esse me deixou preocupado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Wander! Não se preocupe, não é comigo. Mas tenho vivido isso de perto, vendo pessoas que amo sofrerem de uma forma que não acho certo. Fiquei brava. Foi isso.

      Excluir